terça-feira, 25 de dezembro de 2007

A Conquista e o Marketing




Alguns dizem que conquistar é uma arte, já eu diria que é puro marketing. Porém, marketing sem foco e mal aplicado é investimento sem retorno, decepção, expectativa frustrada. Assim como no mercado de trabalho as estratégias de marketing se aplicam perfeitamente à vida pessoal.

Na maior biblioteca livre e interativa do mundo o Wikipedia, existem diversas definições de mestres do marketing, como: Kotler, Porter, Armstrong, entre outros... porém, a que mais gosto é de nosso famoso “pai dos burros”, que define marketing como: “conjunto de estratégias e ações que provêem o desenvolvimento, o lançamento e a sustentação de um produto ou serviço no mercado consumidor (Dicionário Novo Aurélio).”

Construindo um plano de marketing, como fazer você, o produto, se manter sustentável e consumido pelo mercado potencial? Antes de qualquer ação, deve-se estudar o mercado de uma forma geral, suas tendências e principalmente a concorrência: loira, morena, siliconada, intelectual, independente, sarada, rica, bonita ou gostosa? Depois, definir seu público-alvo: para massa, os produtos práticos, baratos, superficiais, com prazo de validade e de fácil reposição são os mais adequados. Porém, para públicos segmentados, que prezam qualidade, durabilidade, consistência e exclusividade, os produtos singulares e de alto valor agregado, esses sim, são os mais adequados. Feita a escolha do público, o passo seguinte é definir o posicionamento: como você quer que seu público a veja? Normalmente a incoerência afeta muito essa etapa, nem sempre passamos através de nossa imagem, liguagem corporal ou oratória o que de fato queremos transmitir, principalmente quando agregado de combustível etílico e celular, quase uma catastrofe! Pense, se suas roupas, postura e atitudes diante da vida está coerente com o que você de fato quer conquistar. Será? Bom, ninguém se mantém sustentável no mercado sem identidade, marca é um bem necessário. O que a torna diferente das outras? Os públicos normalmente compram pela marca, a que passa confiança, credibilidade e satisfação garantida. Você pode ser “mil e uma utilidades”, a “que lava mais branco” ou “a número 1”, escolha.

Uma boa estratégia de marketing permitirá que você conquiste, gerencie seus relacionamentos e gere vantagens sobre a concorrência. Quer coisa melhor? Mas, para isso é preciso levar em consideração 4 componentes: Produto: ou melhor, você, um bem tangível, ou intangível? Benefícios extras e garantias, sempre encantam o mercado consumidor, não se esqueça! Preço: Qual o seu valor? A gente faz muito investimento financeiro em nós mesmas com roupas, cursos, academia, estética, roupas, livros, dieta, terapia, maquiagens, roupas, manicure, roupas... para um “marmanjo” qualquer achar que pode nos levar por 2 trocados, não é mesmo? Praça: disponível? Então circule! Ainda não inventaram o “Príncipe Delivery”, bom... existem alguns “sinônimos” mais “pagantemente” e vulgarmente conhecidos, mas aquele que casa com você, te trata como princesa, é admirável e com pós-graduação, esse ainda não inventaram. Promoção: o que adianta um exelente produto em uma linda embalagem, se ninguëm conhece, ou é de difícil acesso? Para uma boa promoção existem diversos instrumentos: amigos, amigos de amigos, mãe, tia, amigos de mãe, primos, amigos de namorados de amigas, cursos... e um instrumento fortíssimo hoje em dia, a internet, por isso, também conect-se e aumente a sua rede de relacionamentos. Venda online é mais rápida, reduz custos e tempo; mas, assim como os demais instrumentos e tudo na vida, para se ter retorno, é preciso ter foco.

Plano pronto, agora vem a implementação, etapa mais difícil. Normalmente o não cumprimento do que foi definido no plano de marketing acontece, por mudanças de foco, outras prioridades, ansiedades, etapas puladas, falta de paciencia e pessoas não comprometidas. Lembre-se, um trem para chegar em seu lugar de destino precisa de trilhos. Qualquer trabalho é arduo, requer empenho, investimento financeiro e emocional, foco e muita paciência, muita paciência.

A conclusão disso tudo é que na vida, no jogo da conquista, podemos jogar sim a nosso favor, nos ajudar, mas só o amor, a paixão dirá se essa conquista será, por um momento, uma etapa, ou uma vida inteira.

Estou Aqui...

“Estou aqui”, essa foi a mensagem que você me bombardeou. Um filme, uma história passou em minha cabeça, meu corpo respondeu mais rapidamente que minha mente. Você estava aqui, depois de meses, depois de dois encontros indiferentemente magoadores. Você estava aqui e eu não hesitei. Com a classe de sempre, usando apenas um leve, elegante, sedutor vestido de seda sobre o corpo e algumas gotas de Chanel no 5, me conduzi a seu encontro vestida pela ânsia de viver tudo numa noite só e com a certeza de que beberíamos um ao outro até a última gota. Você como sempre um gentleman me tratando como a única imaculada mulher do mundo; ao som de blues e velas, tivemos um jantar sedutoramente maravilhoso, regado por muita conversa e vinho que fazia subir a ainda mais a temperatura de dois corpos já quase em combustão. Tudo estrategicamente programado, para lentamente deixar nossos corpos, olhares, cheiro e desespero contaminar o ar. A energia, o desejo rondava invisivelmente visível por todas as partículas do meu corpo e metro quadrado daquele badalado restaurante; mas, só eu e você sabíamos o que estava acontecendo naqueles 30 cm de distância. No momento certo sem qualquer palavra saímos e fomos tomados pelo desespero de dois corpos e mentes que se entende em perfeito braile e respiração. Bebi tudo numa noite só, inteira, louca, desesperada, irracional sem pensar no amanhã que não existe. O que existe é uma história navalhada pelo medo em momentos lúdicos. Não quero tentar entender o compreendido, pois você está aqui com essa mulher completa, mas que você prefere não ter a ter que conviver diariamente com a possibilidade de viver sem um dia, como você mesmo diz. Na vida o que vale não são os momentos em que respiramos, mas sim os que tiram o nosso fôlego e você tira o meu fôlego, o meu ar, me asfixia, me sufoca e quando volto a respirar consigo sentir por todos meus poros o prazer imensurável e indescritível da sensação de estar simplesmente viva. Não te amo, não te quero, não quero me aprisionar a você juntamente com o seu medo em não saber lidar em ter uma mulher inteira ao seu lado por uma vida inteira na errada possibilidade de um dia ela te deixar em pedaços, mas ainda não consigo abrir mão dessa brisa de oxigênio que você traz quando está aqui e que me ajuda a respirar e sobreviver dentro dessa enorme solidão.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Amélia do seu Coração

Cansei de ser a mulher intocável, a mais pura, mais louca, a perfeita - quase casável.
A que é forte, é louca, é loucura paixão... mas é tão tudo isso, que só chora então.
Cansei dos olhares, da admiração... preferia ser a Amélia de seu coração.
É beleza é força, é pureza fugas, mas tem gritos de choro de quem luta demais.
Cansei de ser bela, intocável paixão.... preferia ser a Amélia de seu coração.
É mulher, ou é homem? Eu até já não sei... são os caminhos que corro que eu mesma busquei.
Cansei de ser tudo e só ganhar nada, de sonhar com você sempre acordada.
É sorriso agridoce, saudável criação... mas é tão tudo isso, que só fica então.
Cansei de ser livre, descartável paixão... preferia ser a Amélia de seu coração.
Preferia ser a Amélia de seu coração.

domingo, 9 de dezembro de 2007

A arte de ser um diamante

Saber ser um diamante é uma arte, levei muito tempo para entender isso e quase que por acaso através de uma conversa com um grande amigo consegui perceber que o desastre de não ser um diamante aos olhos de outros, muitas vezes, é porque dedicamos nosso melhor para pessoas que não merecem ou não são capazes de entender ainda nem o básico. Desperdiçamos energia, nós mesmos em tentar mostrar o diamante que somos as pessoas, e quando isso não é percebido, não conseguimos entender o que aconteceu. Fácil! “Pérolas aos porcos” serão sempre “Pérolas aos porcos”. Para quê entregar uma banana split para alguém que por hora quer ou merece só uma bola de sorvete e de baunilha!?

Precisamos entender a linguagem do outro e que a ansiedade em se mostrar, a fim de conseguir a aceitação, nada mais trás do que a rejeição. A ansiedade apesar de vir da palavra ânsia, que é positiva, que vem da ânsia de viver, de querer, de conquistar, de realizar, de se mostrar... gera a famosa ansiedade que na maioria das vezes não é usada na dose certa e atrapalha desde uma simples conquista, a uma história de amor. O tempo sempre é o senhor dos sentimentos e das respostas, mas para isso é preciso ter paciência e a sabedoria em saber dosar as doses de você mesmo.

Acabamos desvalorizando o diamante que somos, quando queremos mostrar ao mundo dando o nosso melhor sem que este seja conquistado. Nos tornamos vítimas de nós mesmos transferindo para o outro nossas ansiedades e inseguranças. Por que temos essa enorme necessidade em extravasar de alguma forma essa ansiedade que é só nossa? Percebo que os “rompantes”, atitudes “over”, ou “excesso de dedicação” nada mais é que o reflexo dessa ansiedade e insegurança; da arte do não saber jogar as oportunidades da vida ao nosso favor, talvez por não conseguir acreditar que um diamante pode ser percebido mesmo que numa sala escura no canto, simplesmente porque os diamantes – brilham!

Parabéns Pai!

Seu dia hoje foi abençoado pelo sol, pela amizade, pelo carinho, pelo meu amor por você em te manter sempre vivo nos meus dias, no meu dia-a-dia.
Parabéns pelo homem, pai, marido, amigo, sábio, empreendedor que foi e espírito que és.
Espírito que ilumina, que conforta minha alma aqui na terra, me abraça, me envolve e me faz companhia quando me sinto sozinha.
Obrigada por estar presente nos detalhes, nos sorrisos... em me fazer entender e lembrar de todos os seus sábios e grandes ensinamentos, me ajudando a me tornar um ser humano melhor e maior.
Obrigada por me deixar de legado a semente de sua sabedoria e paixão que me ajuda a descobrir quem sou e a viver deliciosamente feliz! Te amo!!

Aqui vai a minha prece...

Pai meu que estás no céu,
Santificado seja o seu repouso,
Estarás sempre em nosso reino,
Deus fez a sua vontade,E te levou da terra direto para o céu,
Os passos do dia-a-dia, nós damos hoje,
Perdoai qualquer ofensa,
Assim como nós aceitamos por ter te perdido,
Deus não nos deixais cair em lamentações,
Mas livrai-nos da dor,
Amém.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Sou Capaz

Sou capaz de te perceber me percebendo. Sou capaz de te sentir me sentindo. Sou capaz de me ver ao te ver. Sou capaz de sentir o medo do seu meu medo em ter o que mais você quer e eu quero. Por que repulso o que mais quero e por que você ignora quando o que você mais quer passa na sua frente e não me agarra? Sou capaz de te deixar escorrer pelas mãos e junto com você apertar tanto até estrangular e sufocar a oportunidade de gozar nossos sonhos comuns. Somos diferentemente iguais e perfeitamente e pedantemente diferentes. Sou capaz de arder na angústia do desespero e ser a mais inteligente das idiotas capaz de complicar a simplicidade de ter você e você o mais burro dos inteligentes incapaz de perceber que simplesmente te quero, mantendo-se congelado na indiferença capaz de nos deixar sem nosso amor.

As delícias de Viajar

Viajar é literalmente uma delícia, não há descrição melhor. Uma delícia de sabores, novidades, oportunidades, histórias, encontros, sensações, emoções, degustações... uma caixinha de surpresa, capaz de tirar você de seu mundinho habitual, rotinal e muitas vezes sacal, para um novo mundo desconhecido ou novamente conhecido. Viajar é sempre, sempre uma novidade... por mais que você conheça o lugar, nunca é igual, pois estamos diferentes, temos objetivos, amigos, amores diferentes, trabalho, passeio, época do ano, nunca é igual... cada experiência pode ser importantemente ou insignificantemente melhor, pior - ou simplesmente diferente.

Felizes são aqueles capazes de beber até a última gota a vivência da emoção de uma bela viagem. Eu costumo ficar que nem criança quando vai ganhar brinquedo novo. Estudo, pego dicas, mapas, guia, entendo a cultura, clima... me teletransporto mentalmente para o lugar de destino e me preparo emocionalmente para vivenciar da melhor forma possível o que os lugares e pessoas podem me oferecer e trocar. Nada melhor que vivenciar essa aquarela de cores, cultura, sabores, conversas com gente local, comida típica, ter muita história para contar e poder colocar na estante ou na geladeira os suvenirs de seu próprio caminho já percorrido.

Volto de cada viagem sempre mais evoluída como ser humano, mais feliz e oxigenada de vida, cheia de inspiração, tesão e motivação. O mundo é um infinito de coisas e seria eu uma anta em colocar nele um mata-burro. Por mais que em uma viagem dê tudo errado, tudo certo! São histórias, experiências de uma história e que seria de nossa história sem nossas alegres e tristes pontuais histórias? A linha reta de uma sobrevivível rotina previsível? Que inapetência!

Sair rumo a uma viagem de férias, é se presentear com o privilégio de apertar por alguns dias o botão do “eject” da sua própria vida, deixando a “mesmisse”, “rotinisse”, “chatisse” que tanto reclamamos, mas que também tanto amamos e não conseguiríamos viver sem, de lado, rumo a essência deliciosa da diversão e relaxamento mental. Eu poderia fechar os olhos agora e deixar sentir através do meu corpo, descendo pela nuca, os sabores, a forma, a emoção, experiência e sensação de cada viagem que fiz até abrir aquele saudoso sorriso de lembranças que sempre serão singularmente minhas.

A dose certa de uma viagem é aquela que ficamos com o “gostinho de quero mais”, mas também com aquele sorriso de canto de boca alegre em saber que se está voltando para casa e para sua vidinha percebidamente também deliciosa.