sábado, 16 de fevereiro de 2013

Meias Palavras


A inteligência me fascina. A inteligência dita em palavras então, me derrete em partículas. Enquanto as menininhas esbanjam os seus decotes para os musculosos de plantão, nada me apaixona e encanta mais que uma resposta bem dada, uma ironia inesperada, uma piada meticulosamente colocada e até nenhuma palavra dita errada na hora certa.

É da natureza da mulher seduzir pelo visual e a do homem pelo verbal - direto. Mas, na geração onde o gato comeu a língua do homem, a poesia e as cartas de amor se foram junto com o romantismo, deixando em seu lugar uma bela maquiagem e um bíceps sem camisa.

As cartas de amor, a poesia, e até as serenatas, deram espaço a linguagem moderna dita, porém não declarada nos e-mails, nos chats e WhatApp. O romance, ou o romancista foi suprimido e esquecido pelo Instagram - onde uma imagem vale mais que mil palavras... será?

Gosto mais daquele jogo de pingue-pongue verbal, do que línguas enroscadas sem idioma, ou identidade. Esqueço um beijo facilmente, mas o sabor de boas palavras, talvez por ser tão raro, pouco esqueço as vírgulas.

Quem sabe lidar com as palavras não fala de fatos, mas sim troca ideias. Quem sabe colocar as palavras não é uma imagem e sim uma marca. E talvez mais uma vez, por isso as palavras me fascinam tanto. Poucas linhas ditas de forma inteligente podem dizer um infinito de coisas.

Ainda sim não consigo compreender como na era da comunicação ficamos sem palavras para entender os fatos. Mas, já que os fatos falam por si, talvez hoje mais inteligente seja aquele que aceita sem falar nada tudo aquilo que não se consegue entender. Porém, como as palavras ainda me fascinam, sigo poetizando sentimentos rasgados para ver se alguém mais inteligente que eu entenda tudo o que ainda não sei dizer. 

4 comentários:

AMM disse...

Demais Ana Flávia! Vc conseguiu brincar com as palavras... Parabéns pelo dito e não dito. Bjus nas duas Corujas. Angela Marcondes

AMM disse...

Demais Ana Flávia! Vc conseguiu brincar com as palavras... Parabéns pelo dito e não dito. Bjus nas duas Corujas. Angela Marcondes

Anônimo disse...

Casa com um professor de portugues. O que acha do Pascoale?

Luis Delorme disse...

Embriagado lendo avido todos seus textos.