segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cyber Love

“Já sei namorar, já sei beijar de língua, agora só me resta sonhar”. Mas, apesar de já sabermos namorar, com a onda do “eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo me quer bem”, muitas pessoas andam só mesmo acompanhadas. E talvez seja por isso que os sites de relacionamento, de uma forma em geral, cresceram estrondosamente na última década.

Segundo pesquisas, o Brasil possui 35 milhões de solteiros e por mais que muitos não estejam procurando sua cara metade, estima-se que 3,5 milhões desses solteiros estão tentando a sorte nos sites de namoro virtual. E um em cada três internautas no mundo vêem a internet como um bom lugar para encontrar um namorado ou namorada.

Preconceitos a parte, e “vergonhas” também; por que esse canal pode ser tão interessante quando se está procurando um amor?

Excluindo as facilidades óbvias: não precisar sair de casa, se arrumar, fazer depilação, as unhas , passar perfume, e gastar dinheiro. Os sites de relacionamento é um portfólio de pessoas com currículo detalhado para o amor. Através desse meio você pode fazer buscas de perfis que se enquadram com o que você esta buscando; ao contrário do acaso, que só com o tempo vai se saber se o que “apareceu” condiz com o que se busca.

Quando pensamos no homem ou na mulher ideal, temos em mente um checklist cheio de pré- requisitos e coisas que gostaríamos, ou não, que o outro fosse ou tivesse. Mas, são poucas as vezes, ou nunca, que a vida coloca esse “príncipe” ou “princesa” encantada em nossas vidas, pois “dependemos” do acaso para que isso ocorra. E Justamente por “dependermos do acaso”, esses sites podem ajudar e muito, não só na facilidade, mas no casamento do foco com o acaso. A probabilidade de se encontrar e gostar de alguém dentro do seu foco é muito maior e melhor, do que contar somente com o destino.

Como na internet não se tem o vínculo emocional, o contato “olho no olho” e nem aquele “aproach” que faz você ficar completamente gamada. É muito mais fácil descartar os pretendentes virtuais, num chat, do que alguém que se conhece por um amigo, viagem, ou qualquer outro meio “não virtual” – mas, que foge do perfil buscado. As vivências trazem vínculos emocionais que nos fazem abrir mão e concessões que antes nem pensávamos. E assim vamos ficando e ficando, e culpando o “acaso” pela nossa falta de foco. Isso fica mais evidente nos quadros críticos de carência.

Se já sabemos que queremos sorvete de chocolate, não é melhor provar as variações do chocolate e escolher dentre elas a melhor; do que entrar numa sorveteria e ter que experimentar todos os sabores, para conseguir chegar até o de chocolate? Essas buscas, muitas vezes geram um cansaço emocional que faz você aceitar o sorvete de baunilha, mesmo sabendo que era o de chocolate que você queria.

Não estou dizendo que o canal virtual, substitui, ou é melhor que o ocasional / natural. Até porque não tenho hábitos e dados estatísticos pessoais que comprovem isso. Mas, na era da automatização, e busca pelo ganho de produtividade e qualidade nos processos de uma em forma geral; começo a acreditar nessa quebra de paradigma, e que esse canal, não só vai crescer muito nos próximos anos, mas como, quando utilizado com ética e foco, pode ser uma ferramenta facilitadora para o acaso - dentro dos nossos objetivos pessoais de relacionamento.

“Business love” e tecnologias a parte, ainda é preciso ter muita evolução nessa “cultura virtual”, pois ela depende de nós seres humanos comuns e cheios de sonhos, expectativas, maldades e mentiras - para existir. E por isso deve-se tomar muito cuidado, pois a facilidade também abre um universo de possibilidades e sem garantias. Logo, vale seguir regras básicas de auto-preservação, para evitar decepções, exposição desnecessária e perigos.

Aproveitando então, essa tecnologia; se você for hetero, entre 30-40 anos, alto, estabilizado profissionalmente e financeiramente, sem filhos, esta disposto a ser louco de amor por mim e tem muito bom humor; deixe seu recado no http://anaflaviacorujo.blogspot.com/. Quem sabe não te dou uma chance...

3 comentários:

Dinamicaleitura by sonia corujo disse...

Querida, mais um texto muito bom!

Cada vez mais difícil escolher o melhor... rs. Well, como não estar em votação.... São temas atuais e interessantes do cotidiano colocado de uma forma divertida e ao mesmo tempo pensante, tornando-se de alguma forma, um incentivo ao habito pela leitura.

PARABÉNS
bjks
Sonia Corujo

Amanda disse...

Ana, quanta saudade de vc!.. Toda semana marco ponto aqui no blog para ler teus textos. Continue assim.. To igual a vc.. Se receber algum contato e quiser dividir kkkk.. só me avisar... Bjussss.. Amanda (6 RTD)

Anônimo disse...

Oi Ana
Muito bom a escrita!!!!!
Essas suas histórias são divertidas!!!!!
Não conheço ninguem com esse perfil, mas se souber lhe indico!!!
Apesar que o "alto" tem que ser acima do 2,10..hahahha
Mauricio